Atacante mais uma vez demonstrou movimentação intensa e soube aproveitar boa oportunidade para balançar as redes
BALANÇOU! João marcou seu primeiro gol na Copa Rio logo na estreia.
Foto: Gabriel Farias.
Jogador do Gonçalense desde a temporada passada, João viveu altos e baixos no Tricolor Metropolitano. Na final da Série C de 2014, chegou a deixar sua marca no primeiro jogo da final. Veio o ano de 2015 e o atleta ganhou chances espaçadas na Série B. Em nova empreitada, agora na Copa Rio, iniciou como titular, com a confiança do treinador Mário Marques. O gol contra o Angra dos Reis serviu para elevar ainda mais sua moral.

- Estou satisfeito com essa boa estreia. Começar jogando dá uma tranquilidade para as coisas acontecerem. Foi muito bom fazer gol e vencer. Não tinha nada melhor para acontecer - analisou João, que demonstrou faro de artilheiro para fazer o terceiro gol na goleada por 4 a 0.

O camisa nove do Gonçalense acredita que o Tricolor tem tudo para almejar o título da competição. Para confirmar sua tese, citou a chegada de reforços como Nélio e Waguinho, que estrearam diante do Angra.

- Entramos para brigar lá em cima, buscando o título. Vamos pensar jogo a jogo. Fizemos nossa parte hoje, com um time bem encaixado e entrosado. O Nélio chegou e entrou muito bem, encaixando bolas de qualidade, chegou também o Waguinho e eles vão ajudar para brigarmos na parte de cima - completou.

O Gonçalense volta a campo na próxima quarta-feira, dia 2, quando enfrenta o Bangu, em Moça Bonita, dessa vez na condição de visitante.

Meia foi o responsável por ditar o ritmo num meio de campo criativo, que ainda contou com Dyeguinho, Gilmax e Amendoim
Nélio estreou deixando sua marca pelo Gonçalense. Foto: Gabriel Farias.
O Gonçalense estreou na Copa Rio com o pé direito, superando o Angra dos Reis até com certa facilidade. O placar final, de 4 a 0, serviu para dar mais confiança aos jogadores. A base que disputou a Série B Estadual foi mantida, com caras novas sendo inseridas na equipe, como o meia Nélio, que demonstrou boa movimentação em sua primeira aparição, inclusive marcando em cobrança de pênalti.

- Fico contente e achei que foi um bom jogo. Os caras vieram com a proposta de marcar em meio campo e dificultou um pouco, mas conseguimos envolver, criando algumas chances já no primeiro tempo. No segundo, nos soltamos mais, algo que é até natural, porque o time que vem marcar cansa mais, com o lado físico pesando. A qualidade acaba sobressaindo - analisou o camisa sete do Tricolor.

Sobre o prosseguimento da Copa Rio, o novo maestro do Gonçalense evitou fazer qualquer projeção mais efetiva. Segundo o meia, primeiro é preciso pensar em superar a chave, que é uma das mais complicadas nessa primeira fase. Os próximos adversários serão times tradicionais, como Bangu, Friburguense e Resende.

- Acredito que temos um bom time. Tem uns caras que "vão virar", indo de time médio para grande. Falar em título é difícil, porque a chave é complicada. Se passarmos por ela, vamos nos fortalecer.

Lateral, assim como o goleiro Luiz Felipe, deixa a Águia e retorna ao Friburguense, clube detentor de seu passe
SÓ ALEGRIA! Léo Sabino conquistou seu espaço no Itaboraí e fez história.
Foto: Gabriel Farias.
Léo Sabino foi absoluto na lateral-direita do Itaboraí. O camisa dois se destacou pelo jogo ofensivo, muitas das vezes iniciando ou participando diretamente dos gols. Não à toa, se transformou num dos atletas mais queridos pela torcida. Com título e acesso na bagagem, é hora de retornar ao Friburguense, que o emprestou à Águia.

- Graças a Deus tudo deu certo. Nosso objetivo desde sempre foi o acesso e consequentemente, o título. Concretizamos dentro de casa e com uma festa bonita da nossa torcida - disse Sabino, elogiando a festa promovida nas arquibancadas.

- Pelo carinho que vocês veem, com a torcida entrando em campo e fazendo uma festa sem violência, a gente cria identidade com a cidade. Volto para o Friburguense, onde tenho contrato, e vou fazer meu melhor para buscar mais um título esse ano - encerrou, se referindo à Copa Rio, seu próximo desafio, agora no Frizão.

Atacante do Itaboraí, que foi o goleador da temporada passada na Terceirona, se disse satisfeito com título e acesso
Edu fez sete gols pelo Itaboraí na Série C Estadual. Média de um por jogo.
Foto: Gabriel Farias.
Edu chegou ao Itaboraí somente no segundo turno da Série C Estadual, disputou sete jogos ao todo na competição e marcou sete gols, com a excelente média de uma bola na rede por partida. A impressão é que, se estivesse desde o início da campanha, o camisa nove poderia ter brigado pela ponta da artilharia, já que o primeiro turno foi onde a Águia encarou seus adversários mais fáceis.

Edu, no entanto, evitou qualquer projeção do tipo. Sempre polêmico, o atleta dessa vez optou por uma via contrária, elogiando o desempenho de Anderson Manga, jogador do Campos, que foi o goleador da Terceirona, com 15 gols marcados. Além de Manga, Edu ficou atrás somente de Marcão, do Duque Caxiense, e Gilcimar, do Artsul.

- Tem que respeitar o trabalho do Manga. Joguei contra e ele resolveu o jogo, então devo respeito. Foi o artilheiro do campeonato, conquistou o acesso com o Campos e fez um trabalho brilhante - disse Edu, relembrando a derrota do Itaboraí para o Campos, por 2 a 1, com gol justamente de Manga.

- Não posso apagar o brilho dele. Fui o artilheiro ano passado, mas esse ano não deu, no entanto, sou o campeão e estou satisfeito por isso. Trocaria a artilharia do ano passado pelo título e agora não troco nada por nada. Conquistei as duas coisas que mais queria: o acesso e o título - encerrou Edu, recapitulando 2014, quando ficou no topo de artilharia da Série C, mas foi vice com o São Gonçalo FC.

Tricolor controla o jogo e conquista os primeiros três pontos na competição sem maiores sustos

Texto e foto: Gabriel Farias
Em sua estreia na Copa Rio, o Gonçalense superou o Angra dos Reis em
Moça Bonita.
Uma vitória tranquila num jogo dominado por um só time. Assim pode ser definida a estreia do Gonçalense na Copa Rio, nesta quarta-feira (26). O Tricolor comandou as ações no Estádio de Moça Bonita, em Bangu, e goleou o Angra dos Reis por 4 a 0. André abriu a contagem em gol contra. Nélio, João e William Amendoim, todos na segunda etapa, completaram o placar.

O resultado coloca o Gonçalense momentaneamente na liderança do Grupo A, com três pontos ganhos, enquanto o Angra vai para a lanterna. O outro duelo da rodada, entre Friburguense e Bangu, acontece nesta noite, no Eduardo Guinle, em Nova Friburgo.

O jogo - Os primeiros vinte minutos praticamente inexistiram em termos de chances criadas. O Gonçalense detinha a posse de bola, mas não conseguia penetrar na defesa adversária. Os visitantes, por sua vez, pouco incomodavam. Os atacantes, apesar da boa movimentação, não achavam espaço no esquema com três zagueiros montado por Mário Marques.

Após a parada técnica o Tricolor acabou saindo na frente de maneira inesperada. Gilmax cobrou falta na área e o zagueiro André testou contra o patrimônio: 1 a 0. O lance fez o Tricolor crescer no jogo e logo em seguida quase ampliou com Allan, que completou de primeira um cruzamento perfeito de Sales. Leo fez grande defesa no último bom momento da primeira etapa.

Time se solta e aplica goleada

Nos 45 minutos finais o Angra dos Reis até esboçou alguma reação, mas logo a condição física da equipe da Costa Verde começou a cair. E foi aí que o Gonçalense aproveitou para deslanchar na partida. William Amendoim sofreu pênalti aos 18 minutos. Nélio converteu sem chances de defesa para Leo: 2 a 0.

Após a pausa para hidratação, João demonstrou faro de artilheiro e tocou no contrapé do goleiro após bola enfiada dentro da área, fazendo o terceiro. A goleada foi sacramentada aos 27, quando Allan fez cruzamento da esquerda e William Amendoim, livre dentro da área, encheu o pé para colocar o Angra dos Reis de quatro.

Administrando a grande vitória na estreia, o Gonçalense ainda aproveitou para dar ritmo a algumas caras novas. O volante André Victor e o atacante Waguinho fizeram suas estreias na reta final do segundo tempo. O baixinho demonstrou velocidade na frente, como de costume, mas não conseguiu ampliar o placar elástico.

Ficha Técnica
Gonçalense 4x0 Angra dos Reis
Copa Rio - 1ª Fase - 1ª Rodada
Estádio de Moça Bonita, Bangu (RJ)
Dia 26 de agosto (quarta-feira) - 15h

Árbitro: Mario Vinicius Baptista Valentin
Assistentes: Carlos Henrique Cardoso de Souza e Wallace Muller Barros Santos
Cartões Amarelos: Marcão e Michel (ANG)

Gols: André (contra), 22'/1ºT (1-0); Nélio, 18'/2ºT (2-0); João, 22'/2ºT (3-0); William Amendoim, 27'/2ºT (4-0)

Gonçalense
Julio; Joseph, Anderson e Yago (Sorriso); Sales, Dyeguinho, Gilmax, Nélio (André Victor), William Amendoim (Waguinho) e Allan; João. Técnico: Mário Marques

Angra dos Reis
Leo; Thomas, Marcão, André e Michel (Gustavo); Teixeira, Chiquinho, Edgar e Lucas (Higor); Alex (Davi) e Luquinha. Técnico: Leandro Silva


Meia foi o principal homem de criação das jogadas durante o campeonato e teve atuação exuberante no primeiro jogo decisivo
MAESTRO. No meio de campo, Caio Cezar se destacou com muita criatividade.
Foto: Gabriel Farias.
Outrora desacreditado com o futebol, pensando até mesmo em encerrar a carreira preocemente, o meia Caio Cezar conseguiu mudar esse panorama. A força de vontade foi coroada no útlimo domingo, com o título da Série C Estadual alcançado pelo Itaboraí. O camisa oito lembrou do início da preparação para justificar a confiança que todos tinham nessa conquista.

- O que ouvi do presidente quando estava vindo, era que estava sendo montado um time para ser campeão e não só para o acesso. E foi isso que me motivou. Gostei do desafio e abracei a causa. Eles (diretoria) deram a estrutura necessária para fazermos a campanha dentro de campo - elogiou Caio, que em sua primeira participação na Terceirona, se disse surpreso com o bom nível técnico apresentado pelos concorrentes.

- A Série C me surpreendeu pelo nivelamento. Até mesmo as equipes que vencemos com mais facilidade, tiraram pontos de outros times. Fiquei surpreso nessa primeira participação minha. É algo que valoriza ainda mais nossa campanha. Demonstramos desde o início que éramos um time para ser campeão e só precisávamos chegar na final e mostrar isso. Conseguimos a vantagem no primeiro jogo para nos tranquilizar rumo a esse título que o itaboraiense tanto queria.

O Itaboraí não tem mais competições para disputar em 2015 e foca agora no projeto Série B 2016. O certame deve ter início somente em fevereiro da próxima temporada, mas já permeia o pensamento de todos no clube. Caio Cezar revela o desejo de permanecer, mas deixa a decisão em aberto.

- Por que não? Foi um prazer passar aqui, com todos me recebendo muito bem, seja torcedor, companheiros ou dirigentes. Não tenho como falar isso agora, até porque tem que ver a vontade do clube também. Fiz meu papel e quando cheguei falei que deixaria minha foto aqui e agora vão ter que aturar minha cara aqui por muito tempo - brincou.

Nos duelos do fim de semana, Planalto e Gol da Vida se destacaram com duas vitórias cada
Garotada fez bonito em mais um fim de semana de disputas em Itaboraí.
Foto: Divulgação/LDI.
A primeira rodada dos Campeonatos Municipais Sub-11 e Sub-13 de Itaboraí, iniciada em 22 de agosto, teve seu complemento no último dia 29, com seis duelos realizados no Estádio Municipal Alziro de Almeida, no Centro da cidade. Nas duas categorias, o Gol da Vida bateu o Manilhense (3x1 e 3x0), assumindo a ponta do Grupo A em ambas.

Quem conquistou feito idêntico foi o Planalto, que superou o Sonho de Criança no sub-11, por 1 a 0, e no sub-13, por 8 a 0. Resultados diferentes, só nos duelos entre Escolinha do Moacyr e CEPPP. Entre os mais novos, vitória da garotada do Seu Moacyr, por 2 a 1. Já na idade de cima, empate cheio de gols, por 3 a 3.

A segunda rodada do Campeonato Municipal, nas categorias sub-11 e sub-13, começa a ser realizada no próximo sábado (29), no Alzirão, a partir das 8h. Os confrontos serão os seguintes: Sonho de Criança x Escolinha do Moacyr, Cidadão x Projeto Creia e Joga Fácil x Independente.

Todas as informações dos Campeonatos Municipais de Itaboraí você encontra no site da Liga Desportiva de Itaboraí, clicando AQUI.

Goleada sobre o Badureco colocou equipe de Manilha na liderança da Chave A
Municipal de Veteranos teve rodada inaugural realizada no último domingo.
Foto: Divulgação/LDI.
Bola rolando no Campeonato Municipal de Veteranos em Itaboraí. Na primeira rodada, que aconteceu no último domingo (23), foram realizados seis jogos. O principal destaque veio do Grupo A. O Manilhense recebeu o Badureco em Manilha e aplicou 7 a 0, maior placar deste início de competição. Na mesma chave, O São José derrotou o Marambaia por 1 a 0, no Esperança.

No Grupo B quem saltou na ponta foi a Ponte Preta, que superou o atual campeão, Itambi, no Campo do Iguá. O placar final apontou 3 a 1 para os pontepretanos. Colado na tabela está o União, que fez 2 a 0 sobre o Real, no duelo realizado no Areal.

O Reencontro lidera de forma isolada a Chave C. Num confronto eletrizante contra o Areal, na Vila Itambi, a vitória veio com a contagem de 3 a 2. Nova Cidade e Ferroviário completaram a rodada em Porto das Caixas, presenteando os torcedores com outro jogão de bola, que ficou no empate: 2 a 2.

A segunda rodada do Municipal de Veteranos está programada para o próximo domingo, dia 30. Os primeiros classificados podem ser conhecidos. Os duelos, todos com início às 9h, serão os seguintes: São José x Manilhense (São José), Badureco x Marambaia (Badureco), Itambi x União (Vila Itambi), Real x Ponte Preta (Real), Ferroviário x Reencontro (Visconde) e Areal x Nova Cidade (Areal).

CLASSIFICAÇÃO

GRUPO A
1º Manilhense - 3 pontos (saldo: 7)
2º São José - 3 pontos (saldo: 1)
3º Marambaia - 0 pontos (saldo: -1)
4º Badureco - 0 pontos (saldo: -7)

GRUPO B
1º Ponte Preta - 3 pontos (gols pró: 3)
2º União - 3 pontos (gols pró: 2)
3º Itambi - 0 pontos (gols pró: 1)
4º Real - 0 pontos (gols pró: 0)

GRUPO C
1º Reencontro - 3 pontos
2º Ferroviário - 1 ponto
2º Nova Cidade - 1 ponto
4º Areal - 0 pontos

Goleiro, que estava emprestado pelo Friburguense, garante ter deixado a porta aberta para possibilidades futuras
Luiz Felipe deixa o Itaboraí com acesso e título da Série C Estadual na conta.
Foto: Gabriel Farias.
Com o final da Série C do Campeonato Carioca, o Itaboraí já começa a contabilizar algumas baixas no elenco. Duas delas, certas. O goleiro Luiz Felipe e o lateral-direito Léo Sabino, que pertencem ao Friburguense, retornam ao time da Região Serrana. O camisa um falou sobre a identificação criada com a Águia, principalmente pela superação que foi exigida nos momentos mais complicados.

- Foi uma conquista merecida, por tudo o que aconteceu durante o campeonato. Perdemos nosso motorista (Rubinho), que faleceu, e nosso treinador Paulo Cesar saiu em virtude de problemas de saúde. Agora é a felicidade. Precisávamos estar focados para superar o Artsul e merecemos essa conquista - disse o camisa um, que agradeceu a todos aqueles que trabalharam até mesmo nos bastidores da ADI.

- O trabalho foi muito bem feito pela diretoria, por todos do clube, desde as tias da cozinha, até o pessoal da fisioterapia, o Iverson, Willian... todos sempre me ajudaram desde o começo, quando tive uma lesão. O trabalho foi muito intenso - elogiou.

No Friburguense Luiz Felipe vai disputar a Copa Rio, que começa já no meio de semana. O goleiro garante estar focado em volta a defender seu clube de origem, mas garante ter deixado as portas abertas no Itaboraí.

- Já tenho que me apresentar a outro clube e nossa vida é assim mesmo. É interessante porque viemos de um clube de Série A, descemos para jogar uma Série C e fomos muito bem recebidos. É gratificante participar de um clube que só tem a crescer, com uma diretoria muito interessada em melhorar. Vamos embora felizes e deixando a porta aberta, até porque não sabemos o dia de amanhã. Deixamos nosso nome na história do clube.

No mesmo estádio Alzirão, em 2014, defensor amargou o rebaixamento com o São Gonçalo EC na Série B
Índio deu a volta por cima no clube de sua cidade. Foto: André Fabiano.
O mundo do futebol dá voltas. E muitas das vezes, mais rápido do que se imagina. Zagueiro do Itaboraí, Índio se reergueu no clube de sua cidade natal, alcançando o bicampeonato da Série C Estadual, competição que já havia conquistado em 2013, vestindo a camisa do São Gonçalo EC, equipe da cidade vizinha.

Mas a passagem de Índio pelo clube gonçalense não foi só de alegrias. Em 2014, quando o SGEC disputou a Série B pela primeira vez, acabou amargando o rebaixamento. O descenso foi decretado justamente no Estádio Alziro de Almeida, num empate sem gols diante do America. Pouco mais de um ano depois, no mesmo local, Índio sacramentou a volta por cima.

- É mais um título da Série C na minha carreira. Só Deus sabe o que passei junto da minha família desde aquele rebaixamento. Pensei em parar, mas Deus me honrou aqui, onde caí com o São Gonçalo, dessa vez subindo e sendo campeão - declarou Índio, que espera seguir no Azulão.

- Estou com vontade de seguir e vamos conversar a partir dessa semana. Vamos ver o que fica melhor para os dois lados, mas o desejo é de ficar sim - completou.

Ex-São Gonçalo FC, Waguinho é uma das novidades; até mesmo vice-presidente Thiago Thomaz pode entrar em campo
Waguinho, ex-SGFC, está à disposição de Mário Marques no Gonçalense.
Foto: Gabriel Farias.
O torcedor do Gonçalense que for até o Estádio de Moça Bonita, na próxima quarta-feira (26), vai ver uma equipe com algumas caras novas na disputa da Copa Rio. O Tricolor, que participa da competição estadual pela primeira vez em sua história, abre sua trajetória no Grupo B enfrentando o Angra dos Reis, às 15h.

Entre os atletas já regularizados que possuem condições de jogo estão o experiente meia Nélio, de 31 anos, que estava no Olaria, além do atacante Waguinho, 26, que se destacou na última Série B Estadual vestindo a camisa do rival São Gonçalo FC. Vice-presidente do clube, Thiago Thomaz, 33 anos, está inscrito no Tricolor, mas ainda não deve ir a campo, focando na melhora do condicionamento físico.

Outro jogador que surge como novidade é o lateral-direito Antonio Carlos Ratinho, que ainda não teve sua liberação confirmada no BIRA (Boletim Informativo de Registro de Atletas). Sua estreia deve ficar para a segunda rodada, assim como a do volante Gustavo Moura, ex-São Gonçalo EC, que vem treinando com o grupo, inclusive marcando um dos gols no empate por 2 a 2 com a Cabofriense, no último sábado.

Carta tida como fora do baralho para a disputa da Copa Rio, o atacante Sabão voltou a aparecer nos planos do Tricolor. Ele chegou a ser emprestado para o Macaé, mas alegando falta de oportunidades com o treinador Josué Teixeira, pediu a rescisão de seu contrato. Ele retorna ao Gonçalense, onde tem vínculo até 2020, mas também só deve entrar em campo contra o Bangu, na próxima semana.

Político lembrou que reativação do clube era um dos seus desejos desde a eleição de 2012
VIBRA, PREFEITO! Helil Cardozo foi um dos mais animados após o título.
Foto: Gabriel Farias.
Durante toda a vitoriosa campanha na Série C Estadual, em quase todos os jogos, o Itaboraí contou com um torcedor ilustre lhe apoiando. O prefeito do município, Helil Cardozo, não mediu esforços para ajudar na conquita do acesso e título da Terceirona. O político lembrou que esse era um antigo desejo seu, que vinha nutrindo desde que assumiu a gestão da cidade em 2013.

- É um sonho da população e quando me elegi prefeito, tinha isso como meta, de colocar o clube disputando profissionalmente. E conseguimos. Agora é festa, mas já começa também nosso projeto para subir para a Série A do futebol carioca. É a nossa intenção - garantiu Helil Cardozo.

Tanto na partida que sacramentou o acesso, quando na conquista do título da Série C, Helil foi um dos mais animados. A empolgação foi vista dentro de campo, quando festejou junto dos jogadores após o apito final, inclusive recebendo o troféu na premiação. E ele quer mais.

- Tenho certeza que com esse planejamento que já temos alinhavado, com essa comissão técnica preparada para a Série A, vamos conseguir dar os passos para sermos campeões da Série B, estando em 2017 na Série A do Campeonato Carioca - projetou o prefeito, que tem seu mandato chegando ao fim em 2016.


Após empate na primeira etapa, time campeão sobra no segundo tempo e alcança primeira conquista inédita
Jogadores do Sociedade erguem o troféu de campeão da Recopa de Futebol 7.
Foto: Divulgação/LSGF7.
O Sociedade é o grande campeão da Recopa de Futebol 7, competição oficial promovida pela Liga de São Gonçalo de Futebol 7. A final diante do Dragões do Campos, foi vencida no último domingo, no LA Esporte Clube, em Tribobó, pela contagem de 3 a 1. Esse foi o primeiro título da equipe, que vem despontando com força no cenário municipal da modalidade.

O duelo começou com um gol rápido do Sociedade. Matheus Araújo mandou a bola para as redes, dando uma vantagem no placar. A partir daí, o Sociedade adotou uma postura mais contida, esperando o oponente. O Dragões do Campo foi entrando no jogo, e conseguiu igualar no fim da etapa inicial, com Bruno Santos.

Veio o segundo tempo e o Sociedade mudou sua forma de atuar, dessa vez indo para cima e pressionando o adversário, sem dar espaços. Matheus Araújo fez mais um e Thalles Amorim também deixou o seu. Soberano nos momentos finais, o Sociedade garantiu o título de maneira justa. 3 a 1 no placar final e galeria de troféus inaugurada.

Equipe campeã perdia no tempo normal até o último minuto, quando conseguiu marcar após situação inusitada
Equipe do Pita, campeão da Super Copa Gonçalense de Futebol 7 em 2015.
Fotos: Divulgação/LSGF7.
Uma das equipes mais tradicionais do futebol 7 em São Gonçalo, o Pita gritou "é campeão" no último domingo, na decisão da Super Copa Gonçalense, competição oficial promovida pela Liga de São Gonçalo de Futebol 7. Na decisão, realizada no LA Esporte Clube, em Tribobó, a equipe empatou com o Osórios no tempo normal, por 3 a 3, mas venceu por 1 a 0 no shoot-out.

Quem saiu na frente do placar foi o Pita, logo no primeiro minuto da etapa inicial, através de Jefinho. A vantagem foi administrada até o início do segundo tempo, quando o Osórios igulaou a contagem com Henrique Santos. A partir daí, o duelo ficou alternado, com os dois times buscando a dianteira no placar.

O Osórios conseguiu com Anderson virar o jogo em 2 a 1. Mas o Pita não se abateu e buscou o empate, novamente com Jefinho. Só que a taça parecia estar endereçada para o Osórios, que voltou a ficar na frente na reta final, quando Guilherme balançou as redes pela terceira vez, aos 22 minutos. Na comemoração, dois atletas invadiram o campo, o que ocasionou a quinta falta do Osórios, que ficou no limite das infrações.

Veio então o lance crucial, que acabou mudando totalmente o rumo da história. Já na marca de 26 minutos (nos acréscimos), uma falta a favor do Pita se transformou em shooot-out. Coube ao jogador Casé a responsabilidade de igualar a contagem na volta final do ponteiro, deixando a partida empatada em 3 a 3, forçando a disputa de shoot-out.

Jefinho brilha novamente e título vai para o Pita

Na disputa de shoot-out, o Osórios parece ter sentido o desequilíbrio emocional causado pelo final turbulento de jogo, quando viu o título escapar das suas mãos. Nas três cobranças, a equipe não acertou nenhuma. Dessa forma, com um único acerto de Jefinho, o Pita levou a melhor e ficou com a taça da Super Copa Gonçalense.

ERGUE A TAÇA! Após final eletrizante, jogadores do Pita soltam o grito da gargante.
Paulo Cesar Teixeira alegou problemas de saúde; dirigente não acredita na versão
Junior Cardozo polemizou ao relembrar desligamento de Paulo Cesar Teixeira.
Foto: Gabriel Farias.
Depois da festa pelo acesso e título na Série C do Campeonato Carioca, o presidente do Itaboraí, Junior Cardozo, conhecido pela sinceridade nas palavras, aproveitou para reabrir uma ferida que parecia cicatrizada. O dirigente contestou a saída do antigo treinador da equipe, Paulo Cesar Teixeira, que se desligou do cargo alegando problemas de saúde.

Cardozo duvidou da versão de Paulo Cesar e ainda disse que o comandante - que deixou o cargo no início do segundo turno da Série C - foi embora sem avisar pessoalmente. Após se ausentar de alguns treinos, o mesmo não foi mais encontrado para tratar do assunto. Em contato pela internet com o vice-presidente Caio Tércio, Paulo alegou que estava de saída em virtude de recomendações médicas.

- Todos sabem do carinho que tenho por ele, até por ter sido meu primeiro treinador quando fui jogador, que me levou para clubes. Mas não foi por saúde que ele abandonou o grupo. Isso nos afetou. Na véspera do jogo contra o Duque Caxiense, ele não apareceu no treino de segunda-feira, no de terça também não e não deu recado - revelou Junior, que prosseguiu.

- Não foi problema de salário atrasado, nem problemas com o grupo, nem qualquer ruído comigo, até porque tinha um carinho muito grande com ele. Existia um respeito grande, além de um respaldo, onde ele poderia fazer o que quisesse em campo, que continuaria - garantiu.

O presidente do Itaboraí disse que foi à procura do treinador, mas que o mesmo não lhe recebeu. Se dizendo decepcionado, Junior Cardozo acusou o ex-treinador do Itaboraí de mentir sobre os problemas de saúde e garantiu que as portas do clube estarão fechadas para o profissional enquanto ele for o mandatário.

- Fui atrás na casa dele, mas ninguém me recebeu. Até hoje ele não deu um parecer sobre o que aconteceu. Ele foi infantil quando colocou uma nota no Facebook alegando problemas de saúde, quando isso é mentira. Ele poderia ter conversado caso não aguentasse a pressão, mas simplesmente abandonou o barco. Hoje não sei onde está. Não está mais aqui, mas é um profissional que com certeza nunca mais trabalhará conosco.

Paulo Cesar Teixeira treinou o Itaboraí em 2014 e 2015, se retirando no decorrer da Série C Estadual. Ele foi o responsável pela estruturação do trabalho de campo, além de toda a montagem do elenco que veio a se tornar campeão da Terceirona. O Site Futebol Gonçalense tentou contato com Paulo Cesar, que até o fechamento desta matéria, não respondeu nossa tentativa.

Atacante terminou a Série C como artilheiro da Águia ao lado do volante Pedro, com sete gols
PAPAI CORUJA! Ao lado do filho, Edu fez a festa no gramado do Alzirão.
Foto: Gabriel Farias.
Edu chegou ao Itaboraí com a missão de ser o goleador da equipe na Série C Estadual e conseguiu. Em apenas sete jogos, marcou sete gols, brilhando na partida do acesso, quando anotou dois sobre o São Gonçalo EC e também no primeiro duelo da final, marcando mais duas vezes contra o Artsul. O empate sem gols, que garantiu a taça no último domingo (23), teve valor emblemático, já que em 2014, o atacante acabou sendo vice da mesma forma, quando estava no São Gonçalo FC.

Tenho que comemorar porque ano passado bati na trave. Consegui o acesso, mas ficou o gosto amargo pelo vice. Foi doloroso porque empatamos o segundo jogo, mas dominamos. Mas Deus é tão bom, que da mesma forma que perdi ano passado, saí vencedor esse ano. Não tem emoção maior do que comemorar com meu filho dentro de campo. Não tinha presente maior do que esse. Não queria só acesso. Vim para ser campeão. Sou grato à diretoria, jogadores e todos que fizeram esse brilhante trabalho na ADI - discursou o camisa nove.

Os próximos meses, segundo Edu, serão de descanso, principalmente para tratar uma lesão no púbis, que vinha o incomodando. Depois de se recuperar, o foco é no Itaboraí. O projeto Série B já começou.

- Hoje saio satisfeito, mas amanhã já é dia de trabalhar. Vou focar na Série B e aproveitar esses três meses para cuidar da minha lesão, que tenho de verdade - encerrou.

Defensor, natural da cidade, teve o prazer de erguer a taça da Série C Estadual
Junto do filho, Fabão comemora título e acesso pelo Itaboraí, clube de sua
cidade. Foto: Gabriel Farias.
Um dos mais ovacionados pela torcida após o título da Série C Estadual, o capitão do Itaboraí, Fabão, tem realmente uma empatia natural com as arquibancadas. Talvez por se sentir parte dela, já que é nascido no município e começou sua carreira na base da ADI. Após completar a missão com louvor, o gigante se sentiu mais aliviado.

- Agora é sensação de dever cumprido. Foi a primeira vez que atuei profissionalmente no Itaboraí. Nos meus 15 anos de carreira, foi onde fiquei mais tenso em determinados momentos do campeonato. Sabia que se algo desse errado dentro ou fora de campo, a cobrança em cima de mim seria maior por ser da cidade. Mas graças a Deus, quando as coisas começam corretas, terminam corretas. É a primeira vez desse título na cidade e se pudesse faria tudo de novo - declarou Fabão, muito emocionado após o empate sem gols contra o Artsul, que assegurou a taça.

Fabão é uma espécie de homem de confiança do presidente Junior Cardozo e seu irmão, o vice Caio Tércio. O zagueiro teve a responsabilidade de comandar o elenco dentro e fora de campo, administrando os bons e maus momentos. Ao ser perguntado se quer seguir sendo essa figura na Série B, em 2016, Fabão não titubeou.

- Meu compromisso na ADI é até não me aguentarem mais. Enquanto puder ajudar dentro ou fora de campo, quero continuar. Conheço o presidente Junior e seu irmão desde a infância. Sempre estivemos juntos e nossa amizade vai além do futebol. O pouco que estou ajudando é por eles também. Eles vivem 24 horas por dia a ADI. Parece que o sangue deles agora é azul.

Meninas foram superadas na final pelo forte time da Portuguesa/Triângulo
Meninas do Rio Bonito/Universo fizeram grande campanha na Copa Rio.
Foto: Divulgação.
A equipe do Rio Bonito/Marajó/Universo encerrou sua campanha na Copa Rio de Futsal Feminino com o vice-campeonato. A final, realizada no último domingo (23), no ginásio do Rio Bonito Atlético Clube, na cidade de Rio Bonito, terminou com vitória da Portuguesa/Triângulo por 2 a 1. Resultou este que deu o título ao time da capital.

Ambas as equipes chegaram na final com grandes campanhas. O Rio Bonito/Universo tinha 100% de aproveitamento, tendo vencido todos os quatro jogos anteriores. A Portuguesa, por sua vez, possuía números parecidos, com apenas um revés na primeira fase, justamente para a Universo.

Na final, no entanto, a história foi diferente e o time da capital do estado acabou ficando com a taça. Apesar da segunda colocação, o Rio Bonito/Universo tem motivos para comemorar. A equipe será a representante do Rio de Janeiro na disputa do Campeonato Brasileiro da modalidade.